Adesão Medicamentosa em Pronto Atendimento – Restinga

A atenção farmacêutica (consulta com um farmacêutico clínico) em pacientes com hipertensão e diabetes aumenta a adesão medicamentosa e reduz visitas à Emergência. No entanto, os estudos realizados até o momento, se concentram em ambiente hospitalar ou ambulatorial. Pouco se sabe sobre o efeito dessa intervenção em ambiente de emergência e pronto atendimento, em especial, dentro do contexto do Sistema Único de Saúde. Contudo, espera-se que a alta do atendimento de emergência seja um momento oportuno para realizar essa intervenção, uma vez que os pacientes podem estar mais motivados a seguir o seu tratamento adequadamente.

Nesse contexto, o estudo AMPaRAR teve o objetivo de avaliar a efetividade do atendimento com farmacêutico clínico no momento da alta da unidade de Pronto Atendimento/Emergência.

Pacientes em atendimento, devido à hipertensão arterial sistêmica ou diabetes mellitus tipo 2, foram randomizados ou para grupo de atenção farmacêutica (consistindo em consulta estruturada com farmacêutico clínico, com duração de 30 minutos, para revisão das medicações em uso e promoção da adesão medicamentosa), ou para o grupo controle (orientações de rotina da equipe assistencial e folder com orientações gerais sobre a doença, sem consulta com farmacêutico). Após 60 dias, os pacientes foram reavaliados para analisar mudanças na adesão medicamentosa, parâmetros clínicos (níveis de pressão arterial, perfil glicêmico, visitas à emergência) e qualidade de vida.

Através deste estudo, foi possível verificar que a atenção farmacêutica, como intervenção pontual na alta da unidade de Pronto Atendimento/Emergência, aumentou a adesão medicamentosa e reduziu os níveis de pressão arterial no curto prazo.